A gestão dos resíduos sólidos se tornou uma pauta urgente para as prefeituras do país inteiro. Pensando nisso, na última quinta-feira (22), a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em parceria com a Secretaria de Estado da Retomada, mobilizou profissionais da reciclagem no município para falar sobre o futuro da profissão e os benefícios do cooperativismo, tendo em vista o novo marco regulatório do saneamento básico, que altera diretrizes importantes sobre a gestão de resíduos sólidos nas cidades, como o fim dos lixões, por exemplo. Além do cadastramento dos catadores, o evento marcou também o lançamento do curso gratuito “Cooperar para Empreender: catadores de recicláveis” em Quirinópolis.

“É necessário por parte dos municípios estruturarem suas cooperativas de reciclagem, implantarem as coletas seletivas e promover o encerramento dos lixões”, iniciou o gerente de desenvolvimento de áreas vulneráveis da Secretaria da Retomada, Rafael Sôffa. Neste sentido, Rafael ressaltou que, mais do que nunca, é hora de “parar de enterrar dinheiro”, mudar a perspectiva acerca do que é lixo e buscar a profissionalização e regulamentação do setor. “A reciclagem, os resíduos sólidos do município, não é mais só uma questão ambiental, de poluir ou não o meio ambiente ou as nascentes, os resíduos sólidos hoje entram como uma grande estratégia dos gestores municipais como geração de emprego e renda”, afirmou Rafael. 

Com cadastro dos profissionais da reciclagem será possível monitorar e aplicar politicas públicas para quem vive da reciclagem | Foto: Sérgio

Cooperativismo e geração de renda

Assim, as cooperativas de reciclagem surgem como uma alternativa eficaz para este novo novo cenário. “Esses catadores, invisíveis aos olhos da sociedade, extremamente vulneráveis, dentro da classificação socioeconômica, se tornam empreendedores da reciclagem e do resíduo sólido”, ressaltou o gerente e completou “nós estruturamos um projeto chamado IncubaCoop, uma forma de apoiar e dar consultoria para pequenos empreendedores abrirem seus CNPJs, empreenderem de forma coletiva e sustentável com apoio da OCB Goiás e do sebrae que oferecem, além das consultorias jurídica e contábil, também o plano de negócio do empreendimento”.

Outra forma de apoiar os empreendedores é com a qualificação. Por isso, a partir do cadastro dos catadores, o Estado, em parceria com a SEMMA, vai realizar o curso  Cooperar para Empreender: catadores de recicláveis. “Estamos realizando também o primeiro cadastro que vai servir para a oferta do primeiro curso de capacitação, que deve acontecer daqui 20 dias no máximo”, iniciou. “Vão ser duas semanas de curso, os próprios alunos, junto com a prefeitura, vão escolher qual o melhor horário para as aulas, até como uma forma de evitar a evasão”, finalizou.

Ao final da formação, os alunos que se encaixarem nos critérios terão direito a uma bolsa qualificação para aquisição de equipamentos e instrumentos necessários para colocarem os aprendizados em prática. “Um CNPJ não vai a lugar algum quando não tem uma política pública vinculada”, finalizou Rafael explicando que todo esforço do Governo do Estado e SEMMA neste sentido é para garantir as bases necessárias para que essa população vulnerável consiga de fato empreender e contribuir com a sociedade plenamente, além de inserir o município neste cenário impulsionando um futuro mais sustentável.

Mas, para que tudo isso seja de fato possível, é necessária a mobilização de toda cidade. “Agora, nós precisamos avançar o entendimento da população de que aquele resíduo, aquela garrafa que ele joga no saco preto é o dinheiro da dona Neide, do João Donato, que vivem da reciclagem. Por isso, eu conclamo a toda população: faça a separação dos resíduos sólidos em casa porque o município vai começar a implementar a coleta seletiva. Esse material não é lixo, é a renda de todas as pessoas que vivem da reciclagem”, concluiu Rafael.

Compartilhar notícia