Prefeitura de Quirinópolis
ACESSIBILIDADE MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE TAMANHO DA FONTE:
  • A+
  • A
  • A-

POSTADO EM 07 dez 2021 · Saúde

Síndrome Mão-Pé-Boca

Síndrome Mão-Pé-Boca (SMPB) é uma doença comum no verão e no outono brasileiro, exigindo atenção de pais ou responsáveis de crianças com idade escolar! Essa doença acomete geralmente crianças menores de 5 anos, sendo transmitida de forma direta e indireta.

Entre os sintomas da Síndrome Mão-Pé-Boca estão:


– febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões;
– aparecimento, na boca, amídalas e faringe, de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;
– erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital;
– mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia;
– por causa da dor, surgem dificuldade para engolir e muita salivação.

Se aparecer os sintomas deve-se procurar o serviço de saúde para orientação e confirmar o diagnóstico.

Para a Síndrome Mão-Pé -Boca não há um tratamento especifico, ela surge e desaparece, normalmente entre 5 e 7 dias, nesse período os pais ou responsáveis pelas crianças devem evitar leva-las à escola ou locais com grande número de pessoas, pois a doença é altamente contagiosa.

Veja as medidas de prevenção e controle:


• As crianças e adultos que estiverem com sinais e/ou sintomas de SMPB não deverão frequentar
escolas ou creches até recomendação médica para o retorno. Usualmente, até o
desaparecimento de todos os sintomas;
• Todo caso de SMPB deve ser encaminhado ao serviço de saúde para diagnóstico e orientações,
quanto ao tratamento e controle;
• Como o vírus ainda pode ser eliminado nas fezes mesmo após a cura dos sintomas, é
importante orientar cuidadores, educadores e pais a lavarem as mãos com frequência,
principalmente após ir ao banheiro e antes de manusear alimentos;
• Disponibilizar sabão líquido e papel toalha nas pias onde são realizadas a higienização das mãos
das crianças e colaboradores e o álcool em gel em locais que não têm pia;• Manter o ambiente escolar sempre bem arejado e realizar a limpeza das superfícies
(mesas, carteiras, bancadas, brinquedos, maçanetas, bebedouros, etc.) três vezes ao dia com água
e sabão. Em seguida passar o álcool 70% com pano seco;
• Roupas comuns e roupas de cama podem ser fonte de contágio, quando há lesões de pele por
isso, devem ser trocadas e lavadas diariamente.
• Brinquedos também devem ser lavados com frequência e evitar o compartilhamento dos
mesmos;
• Trocar a fralda com luvas e higienizar as mãos após a troca;
• Promover o descarte adequado das fraldas e artigos sujos com fezes;
• Evitar o contato (beijos, abraços, compartilhamento de utensílios)com pessoas contaminadas.